Clube do Bordado- Partiu Plano B

As jovens que têm o bordado como empreendimento criativo

Elas são as meninas do Clube do Bordado. Vocês que acompanham o blog já sabem que eu virei bordadeira né? Então! Há algum tempo descobri o clube nas redes sociais e confesso que me tornei fã ! Adoro os vídeos, adoro as dicas, mas acho que me encantei ainda mais com tudo o que envolve essa ideia. Não é só bordar, é resgatar o valor dos trabalhos manuais. “Além dos produtos feitos artesanalmente, também criamos conteúdo, vídeos e ações que resgatam o valor dos trabalhos manuais, usando as redes sociais para ampliar o conhecimento e a troca de saberes e abrindo caminhos para o empoderamento”. É o que diz a Amanda Zacarkim, uma das integrantes do clube.

Clube do Bordado- Partiu Plano B

E sim, as meninas do Clube do Bordado empreendem com o bordado. A Amanda me contou que o grupo é diversificado, mas elas têm  em comum a moda como parte  da formação acadêmica ou profissional. Nos primeiros encontros descobriram o interesse pelas coisas feitas à mão, como bordado, crochê, desenho, aquarela.” Vinha de muito antes, tinha relação com nossas avós, mães e nossos momentos criativos da infância”.

Clube do Bordado- Partiu Plano B

A Camila, que era bordadeira de mão cheia desde a infância, foi quem começou a ensinar as amigas. E no início era um hobby. Se encontravam para tomar vinho e bordar. Tempos depois,  o bordado se tornou um negócio criativo para as amigas . Hoje elas criam ilustrações e bordados contemporâneos, promovem encontros e  dão cursos e oficinas  no Brasil e na Europa.

Clube do Bordado -Partiu Plano B

Elas são muito jovens e , segundo a Amanda, as reações quando as pessoas conhecem o clube são diversas. “Muitas senhorinhas ficam maravilhadas em ver moças bordando – e nós amamos fazer amizades assim – e muitas meninas bem jovens se inspiram a começar a bordar vendo que essa técnica não precisa ser careta ou cheia de regras. Como o próprio nome diz, o bordado é livre”.


Clube do Bordado-Partiu Plano B

As bordadeiras também começaram a ouvir muitas histórias de pessoas que conseguiram superar problemas como depressão e crises de ansiedade com a prática  do bordado. Por isso, em abril de 2017 elas começaram a contar as histórias dessas pessoas em um projeto Gente que Borda . Entra no Instagram e  digite: Gente que Borda na procura. “A ideia é dar visibilidade ao fazer manual por meio das pessoas e assim inspirar muitas outras a incluir o bordado (ou qualquer outra atividade manual) na rotina. Para aprender algo novo e para fazer algo com amor, e com as mãos”.

Além de ensinar o passo a passo de pontos de bordados, as meninas também dão dicas valiosas de empreendedorismo no canal do Clube do Bordado:

2 comentários sobre “As jovens que têm o bordado como empreendimento criativo

Deixe um comentário