Pães artesanais de dar água na boca

12 de julho de 2014 por Vanessa Brollo

Sim, os pães artesanais da foto são de dar água na boca mesmo. Quem produz essas delícias é Celi Anizelli, uma apaixonada por pães que cita Cervantes para explicar essa paixão:"Todas as tristezas são menores com pão". E realmente é ao redor de uma mesa você conversa, experimenta sabores. “Basta deixar que aconteça”, aconselha . OLYMPUS DIGITAL CAMERA O Plano B da Celi poderia ter sido a literatura. Ela faz crônicas, poesias e reflexões em 2 blogs: sal de açúcar e diário de Antônio ( que conta histórias de mãe e filho e que já virou livro virtual).Entre um texto e outro Celi sempre preparou pães em casa. Segundo ela, os amigos já se acostumaram a ser recebidos com pão quentinho na mesa e uma boa conversa. E foi assim, aliás, que eu fui muito bem recebida. Minha ideia era ficar no máximo 1 hora conversando com a Celi, mas com a mesa toda arrumada e pão assando, claro que acabei ficando 2 horas e meia na casa dela. Celi é formada em administração e trabalhou na área de logística. Há 10 anos, ela decidiu começar a vender os pães, até por insistência dos amigos. No início era uma receita básica de pão caseiro, mas ela percebeu que poderia ajudar outras pessoas, que têm restrições alimentares, a também sentirem o prazer de saborear um pão bem gostoso . Mas as receitas não foram surgindo de uma hora para outra. Quando decidiu que iria vender pães Celi foi atrás de qualificação. Fez um curso de panificação e não parou mais. Ela tem uma oficina muito bem montada em casa e já oferece cursos . A produção semanal é de 80 pães e os clientes, que buscam pão na casa da Celi , têm que reservar porque acaba tudo rapidinho. Pão 3 valendo   Celi viveu em uma cidade pequena, Primeiro de maio, no interior do Paraná e diz que ao fazer pães, resgata valores, sabores e sensações do tempo de criança, das mulheres da casa cozinhando no fogão à lenha, do bem estar que momentos assim proporcionavam para ela. Depois de um tempo conversando com a Celi fiquei com a impressão que os pães, além de gostosos estão repletos de poesia. E até os nomes dos pães são homenagens a pessoas muito especiais para ela. -O pão Caseiro Seis Marias , é a lembrança de uma família pioneira do interior do Paraná. Celi conta que a matriarca, dona Vera, teve seis filhas ,as Marias que, apesar das dificuldades da vida são expoentes na cultura do Paraná. - O pão Veruska Multigrãos é a homenagem à dona Vera, mãe das Seis Marias, do pão caseiro. Pão de mãe mesmo, super nutritivo, com amaranto, quinoa, linhaça, gergelim e semente de girassol. - O pão doce Ana Maria, é uma homenagem à irmã da Celi. “Em um momento difícil da minha vida, ela, que é uma empresária ocupada, me deu o que tem de mais precioso, o tempo. Ela mora em Londrina e veio para Curitiba para conversar, dar apoio, solidariedade . E durante essa visita me ensinou a receita do pão doce. -O pão ervas Rosana é uma homenagem a uma amiga de 20 anos que Celi descreve da seguinte maneira: “É uma pessoa que te faz refletir sobre a sua alma”. Poesia né gente? Ou melhor, um pão de ervas delicioso. -O pão Karine 100% integral foi batizado com o nome de quem encomendou o pão, e que estava em busca de uma melhor qualidade de vida . A Karine acabou incentivando a Celi a fazer novamente uma receita de pão integral que ela já desenvolvia no início. Além de ter agradado a Karine o pão hoje atende pessoas com diabetes e veganos, pois não tem açúcar e nenhum ingrediente de procedência animal. Também foi o incentivo que a Celi precisava para fazer pães personalizados. Junto com a nutricionista do cliente, ela desenvolve uma receita específica. Tudo para que o prazer de comer pão esteja ao alcance de todos.

As dicas da Celi:

- Persista - Seja humilde com o que vai trabalhar.Esteja sempre pronto para aprender - Busque algo que te traga alegria de viver. O que te faz feliz

www.facebook.com/CeliAnizelli- pães artesanais

OLYMPUS DIGITAL CAMERA OLYMPUS DIGITAL CAMERA      

COMENTÁRIOS
Adicione um comentário
Nome:
Email:
FERNANDA
11 de novembro de 2014 Responder
Nossa, quanto capricho, quanto amor no que ela faz! A gente consegue ver nos olhos! Eu amo pães de qualquer tipo, esta foi a história mais legal que li no seu blog. Que bacana ver a felicidade nos olhos de quem empreende com aquilo que ama. Obrigada por nos inspirar, Celi e Vanessa! Beijos. Fernanda.
VANESSA BROLLO
12 de novembro de 2014 Responder
Fernanda, o amor da Celi pelo trabalho dela é contagiante mesmo. Ela ama o que faz e passa isso para os pães que são deliciosos. E ela recebe a gente com aquele pão quentinho da foto rsrsrs beijos e obrigada pela visita
CLÁUDIA
12 de novembro de 2014 Responder
OLá! Gostaria de saber qual a agendo dos seus cursos. Obrigada. Cláudia
VANESSA BROLLO
12 de novembro de 2014 Responder
Oi Cláudia, tudo bem? Sou eu, Vanessa Brollo, jornalista do blog. Lá no final da matéria tem o telefone da Celi. Quando eu a entrevistei ela me disse que os cursos acontecem normalmente aos sábado, mas não é sempre. Vc pode ligar para ela ou encontrá-la no facebook: Celi Anizelli pães artesanais . Beijos e obrigada pela visita
ERICA OLIVEIRA
17 de novembro de 2014 Responder
Pão caseiro tem gosto de infância e de retorno às raízes rsrs até hoje, quando vou para o Paraná visitar os parentes, somos recebidos com pão caseiro rsrs Ai...aquele cheirinho...hummmm
VANESSA BROLLO
17 de novembro de 2014 Responder
Muito bom mesmo né Érica? Eu também lembro da infância, da minha mãe fazendo aqueles pães maravilhosos. E o cheirinho que fica na casa, realmente é para despertar o apetite rsrsrs. Beijos e obrigada pela visita
MILENE SZAIKOWSKI
29 de junho de 2015 Responder
A Celi é uma pessoa maravilhosa, de uma conversa encantadora. Fazia tempo que não tinha notícias dela, fico feliz pelo sucesso.
VANESSA BROLLO
30 de junho de 2015 Responder
É verdade Milene. Que bom que teve notícias dela aqui pelo meu blog. Beijos e obrigada pela visita
LETÍCIA
01 de julho de 2015 Responder
A história é ótima e os pães deliciosos!
VANESSA BROLLO
01 de julho de 2015 Responder
Realmente Letícia, daquele tipo de pão que não dá pra parar de comer rsrsrs Beijos e obrigada pela visita
LUCIA
10 de junho de 2016 Responder
hoje pesquisando sobre pães, encontrei você e amei sua historia, eu estou iniciando e fiquei maravilhada de ver que com amor nos podemos fazer o melhor, quando dedicamos carinho na profissão.
VANESSA BROLLO
10 de junho de 2016 Responder
Lucia sou a jornalista responsável pelo blog. Belas palavras para a Celi. No final do post tem o contato dela, ok?
FERMENTAÇÃO NATURAL
14 de junho de 2016 Responder
Incrível essa história! Parabéns!!!! Pelas fotos os pães devem ser ótimos!
CARLOS ALBERTO
11 de março de 2017 Responder
Bela historia Celi. E lindos paes. Sou Carlos de Monte Verde sul de Minas. Sou dos Paes Caseiros Meu e da Gleice ( no face) Parabens. Carlos
UMA OFICINA DE PÃES PODE ESTIMULAR A SUA CRIATIVIDADE
17 de julho de 2018 Responder
[…] foi isso que aconteceu quando participei da Oficina de Pães da Celi Anizelli, em Curitiba. Confira AQUI a história dessa padeira de mão […]
AZEIR DE CARVALHO
20 de agosto de 2018 Responder
Pensei que passaria algumas receitas. Tenho diabetes queria pelo menos a do pão integral sem açúcar. Moro em Nova Iguaçu, RJ
VANESSA BROLLO
20 de agosto de 2018 Responder
Olá Azeir, sou a jornalista responsável pelo blog. O contato da minha entrevistada está no final do post no blog. Nas redes sociais dela tem várias receitas que podem te ajudar Att Vanessa Brollo
Comentário: X
Nome:
Email: