Criou uma empresa de entregas somente com mulheres e superou a crise

09 de março de 2021 por Vanessa Brollo

A empreendedora Gislaine Queiroz sofreu um forte baque em 2020. Afinal, ela comandava duas empresas no segmento de eventos, um dos mais afetados pela pandemia. Em meio a um cenário de caos, com um faturamento zerado, contas vencendo, Gislaine passou a realizar entregas como fonte de renda. Logo percebeu a necessidade de alguns clientes, começou a fazer entregas personalizadas e enxergou uma oportunidade para inovar. Dessa maneira, foi criada a Única Entrega, empresa formada apenas por entregadoras mulheres, uma inovação em um segmento dominado homens. A receptividade foi imediata.

Os clientes se demonstram satisfeitos com a agilidade e segurança dos serviços. Temos uma relação de confiança com os nossos clientes, especialmente mulheres, que se sentem mais seguras com as entregadoras. Prezamos pela qualidade do atendimento e pela entrega do produto nas mãos dos clientes, além dos cuidados na prevenção contra o coronavírus

O resultado foram um total de mais de 7,5 mil entregas realizadas somente no ano passado (a partir de maio, quando a empresa entrou em operação) e mais de 800 nos dois primeiros meses de 2021. Todas as entregas, de motocicleta ou de carro, são agendadas previamente e as entregadoras seguem rotas programas, visando otimizar os itinerários e gerar menos custos para os clientes e para a empresa.

Hoje, a empresa conta com cinco entregadoras que chegam a todos os bairros de Curitiba e cidades da região metropolitana. Ainda neste ano, Gislaine já pensa em contratar novas colaboradora  freelancers, informatizar alguns processos e atrair investidores para a expansão do negócio para outras cidades.

A consultora do Sebrae/PR, Fernanda Pesarini, afirma que o mercado de entregas se expandiu por conta da pandemia e possui um alto potencial de continuar crescendo. O segmento está entre as Ideias de Negócios mais procuradas no site do Sebrae e o setor de delivery cresceu, apenas no Brasil, mais 48,77%, segundo o site Statista. Para isso, segundo ela, é preciso pensar na personalização e nos diferenciais do negócio.

É muito importante saber que áreas serão atendidas por essa empresa de entregas e transportes. Enxergar nichos de atuação, pensar num plano de negócios aprofundado, e entender as particularidades do processo produtivo desse segmento, como logística, segurança e precificação são etapas essenciais para o sucesso do negócio. Ainda há muito espaço para a atuação nessa área”, relata.

Com informações da Agência Sebrae de Notícias