Daniel Empinotti

O ex-executivo de vendas decidiu partir plano b fabricando cerveja

Muito, muito feliz de saber que o Partiu Plano B tem cumprido a sua principal missão que é inspirar as pessoas. Veja a história do Daniel Empinotti. Ele me contou que foi ouvindo a minha coluna na rádio CBN que acabou ficando com uma “pulguinha bem chata atrás da orelha”.

O Daniel fez uma bela carreira na Editora abril. Na última função, no cargo de Executivo de Vendas de anúncios, ganhou vários prêmios . Só que entre 2014 e 2015 o mercado da mídia começou a despencar com a entrada forte das redes sociais e, segundo ele, para atingir meta, o negócio estava virando um pesadelo. No caminho para fazer visitas a clientes e diretores de agências de publicidade, o Daniel  começou a ouvir a coluna do Partiu Plano B na rádio CBN. “Vendas baixas, mercado em transformação e quando ouvia a coluna eu percebia que tinha uma galerinha botando a cara a tapa e sendo feliz, pensei:  vou montar um negócio.”

Um vizinho do Daniel viajava muito para o exterior e sempre trazia cervejas gringas. Ele começou a estudar o negócio e, além de beber, resolveu fazer cerveja em casa, para desespero da mulher que queria matar o Daniel com tanta panela na churrasqueira.

Daniel Empinotti

Testou muitas receitas, visitou cervejarias nos Estados Unidos e começou a participar  de concursos de cervejas na panela, inclusive ganhou Ouro com um amigo no Sul Brasileiro, fez cursos de Sommelier e outro voltado para a parte de tributos com Murilo Foltran, e sempre fazendo uma cerveja de estilo diferente todo mês.

Até que uma bela noite ele abriu uma garrafa, provou, soltou um palavrão e teve certeza:”Essa ficou boa”.

Super animado, levou  uma amostra para o cervejeiro Campagnolo,  proprietário da Cervejaria Turbinada. E foi o que ele disse que deu a certeza que estava no caminho certo: “Você vai ter que lançar esta cerveja no mercado!”. O Daniel ainda estava trabalhando e resolveu trocar uma ideia com o chefe. Ficou sabendo que não passaria mais um ano como empregado e que o futuro era assumir uma representação ou Partir Plano B.

“Se passaram mais 2 anos e minha vez chegou, fui demitido após 21 anos na empresa.  Já na semana seguinte levei minha receita para o primeiro teste na indústria!  Montei tudo conforme manda a legislação e em junho de 2018 lancei a marca no mercado”.

Daniel Empinotti-

Depois  de muitas reuniões para escolher  um nome , a marca  foi batizada de Perdigueira, uma homenagem a Ronda a cachorrinha da família que é dessa raça. O Daniel já chegou a vender 2.500 litros de cerveja em um mês.

As dicas do Daniel :

-Planejamento

– Saber vender principalmente se vai montar o negócio sozinho. Não saber vender é um sintoma de fracasso!

-Paciência

-Para quem sonha empreender digo: Fale menos, escreva mais todas as ideias no caderno e tente tirar do papel o quanto antes… o mercado é muito rápido e o seu vizinho pode ser mais rápido que você.

@perdigueiracervejaria

Deixe um comentário