Foto: Olimpio Araujo Junior

Deixou um cargo executivo para abrir uma barbearia e já tem três

Como gerente nacional de uma grande indústria farmacêutica, o José Luiz Policeno tinha um salário de R$ 15.000,00 por mês, viajava por todo o Brasil  e tinha estabilidade. Mas… Estava infeliz com as cobranças que começavam às seis da manhã. O stress tomou conta da vida dele. ”Domingo de tarde eu ficava deprimido porque sabia que tinha que trabalhar na segunda, e quando chegava nos clientes, não estava conseguindo sair do carro”.Quando a situação se tornou insuportável, o José começou a pensar seriamente na possibilidade de mudar e resgatar o sonho antigo de ser barbeiro. A paixão pelo ofício da barbearia começou quando ele ainda era criança, no interior do Rio Grande do Sul. O profissional que cortava o cabelo do José também tocava violão e como o menino gostava de ver o barbeiro tocando violão, passava um bom tempo no lugar. E assim se encantou com o trabalho.

Foto: Olimpio Araujo Junir
Foto: Olimpio Araujo Junior

Tanto que quando entrou na escola agrícola, mentiu para os colegas que era filho de barbeiro para que eles deixassem ele cortar o cabelo deles. “Acertei o primeiro e durante algum tempo cortei o cabelo de quase todos os 200 alunos”. Mas assim como acontece com muita gente, a vida acaba nos afastando dos nosso sonhos. O José foi trabalhar na área comercial e passou por algumas empresas até chegar ao cargo que começou a fazer mal para a saúde dele. E foi depois de uma discussão com o chefe que ele pediu as contas para fazer o que realmente sempre gostou. Em 2012 abriu a primeira barbearia. Inspirada nos anos 40 e 50, a Barbearia Saint Germain, em Curitiba, faz o cliente voltar no tempo em um ambiente charmoso, cheio de objetos  e móveis  antigos. “Algumas cadeiras têm mais de 100 anos”.

Barbearia -Partiu Plano B

A ideia, segundo o empresário, é que os clientes façam a barba, cortem o cabelo e aproveitem para encontrar os amigos ou apreciar uma bebida. Hoje o José tem mais duas barbearias, uma delas com um sócio, e diz que mudar foi a melhor escolha que ele poderia ter feito. E tem mais, ele já consegue alcançar o ganho que tinha como executivo e a ansiedade no domingo agora é para que chegue logo a segunda para ir para o trabalho.

Dicas do José

– Faça! Mas se prepare para isso, no meu caso eu não queria somente uma barbearia. Pensei no público, no ponto, no ambiente diferenciado

– Trabalhe de forma organizada

– Pense a longo prazo, porque só depois de 5 ou 6 meses é que comecei a pagar as contas

– O dinheiro é importante, mas não é tudo

 

www.barbeariasaintgermain.com

Barbearia -Partiu Plano B

7 comentários sobre “Deixou um cargo executivo para abrir uma barbearia e já tem três

  1. Sempre inspirador! Descobri o blog há 1 mês, já li muitas histórias, e fico sempre encantada. Com essa em especial me identifiquei bastante, venho amadurecendo a idéia de um plano B durante este ano, e o blog me inspira a cada semana!

    • Oi Amanda. Sou a jornalista responsável pelo blog. Fico muito feliz de saber que meu trabalho esteja fazendo diferença na sua vida. São mensagens como a sua que me inspiram a continuar. E que bom que gostou, em particular, da história do José. Ele teve coragem né? Vá em frente com seu plano B e depois me conta hein? Quem sabe te entrevisto para o blog?

      Grande beijo

    • Oi Amanda, sou a jornalista responsável pelo blog. Fico feliz que o meu trabalho esteja te ajudando de alguma forma. Mensagens como a sua me inspiram a continuar a contar mais e mais histórias. E que legal que o exemplo do José, em particular, tenha te ajudado a pensar ainda mais sobre o seu Plano B. SIga em frente. Te desejo sorte e quem sabe depois não conto sua história aqui.

      Super obrigada pela visita ao blog

      Beijos

  2. Acabei de abrir uma barbearia no Rio de Janeiro e tenho estado bem ansioso por causa do movimento dos clientes.

    A reportagem foi muito motivadora e esclarecedora.

Deixe um comentário