Foto: Renato Mangolin

Ator conta histórias percorrendo ruas de Curitiba em uma bicicleta

Para  Cadu Cinelli  a bicicleta é o  palco e as ruas da cidade o cenário. O ator, artista têxtil, contador de histórias e diretor teatral, integrante do grupo OS TAPETES CONTADORES DE HISTÓRIAS/RJ, tem uma paixão antiga pela bicicleta. Como não dirige nenhum outro veículo, por onde anda ele leva a sua magrela ou, se não consegue, empresta uma. Em seus passeios pelo mundo sempre se sentiu mais vinculado, mais pertencente à cidade por onde pode pedalar.

Foto: Renato Mangolin
Foto: Renato Mangolin

A inspiração para o projeto Percursos Afetivos  nasceu durante a leitura do livro Bycicles Diaries, do cantor David Byrne (Ex Talking Heads). A obra relata a relação do ciclista com as cidades, a função da bicicleta, além de um simples hobby, e seu caráter político. 

E a ideia é simples e encantadora. Durante um passeio de 50 minutos, Cadu vai contando histórias. São narrativas urbanas construídas a partir de pesquisas sobre a história real dos lugares percorridos, da observação das pessoas que por ali vivem e das vivências e impressões do próprio artista. A paisagem ao longo do trajeto, durante as apresentações, recebe intervenções como projeções de imagens, palavras, iluminação, introdução de objetos e outras surpresas. “A ideia, por meio da ação poética, é ressignificar a paisagem, potencializando uma mudança de olhar tanto de quem participa da performance quanto de quem está somente de passagem e se depara com ela”.

Foto: Doug Oliveira
Foto: Doug Oliveira

A partir de julho, a inusitada performance será apresentada, em Curitiba, no último fim de semana de cada mês, até novembro  de 2018. Sempre aos sábados e domingos, às 19h, em algum ponto da cidade. O trajeto muda a cada mês, o de julho, dias 28 e 29, já está fechado, irá sair do Terminal Guadalupe e chegar na Praça 19 de Dezembro, a da Mulher e Homem nus. Em agosto (dias 25 e 26), o ponto de partida será a Boca Maldita e o de chegada a Praça Rui Barbosa. Os demais ainda serão definidos.

Foro: Renato Mangolin
Foro: Renato Mangolin

Quem não tem bicicleta e quer participar também pode emprestar uma, mas tem que entrar em contato antes para garantir uma magrela.“Percursos Afetivos permite que a bicicleta se torne agente responsável em transportar o público, colocando-o ativamente dentro da performance, sendo meio e também ponto de perspectiva para a visão das histórias criadas. O trabalho também possibilita a discussão artística sobre o papel deste veículo e de sua relação com o meio externo, além da utilização e ocupação do espaço público”.

Entrada: Colaboração Livre

Contato e empréstimo de bicicleta: 21 98352 2492 (Cadu Cinelli) / cecinelli@hotmail.com

Facebook: @percursosafetivos

 

Deixe um comentário