Gonzalo- Partiu Plano B

Abriu mão de um emprego fixo e estabilidade para empreender com temperos

O Emerson Diogo dos Santos trabalhava há 15 anos em uma multinacional quando decidiu  abrir mão do emprego fixo e pedir demissão. Apesar da estabilidade e do bom salário ele não estava feliz. Vivia cansado e estressado. O gerente do Emerson achou que ele estava maluco, até porque a primeira filha estava pra nascer. Mas  com o apoio da esposa e muita determinação, Partiu Plano B com uma ideia que  já estava amadurecendo há algum tempo.


Gonzalo- Partiu Plano B

A família do Emerson sempre trabalhou em frigorífico e sempre se reunia pra fazer churrasco, em um desses encontros um tio ensinou a fazer o molho chimichurri. Anos depois ele relembrou a receita do tio e começou a oferecer em churrascos na casa dele. E foi um amigo que ganhou o molho de presente que deu a dica de que ele poderia vender o chimichurri.

Gonzalo- Partiu Plano B

Depois que saiu da empresa ele teve que se adaptar à nova vida, sem salário fixo, mas como fez um acordo teve como se manter . Inicialmente terceirizou a produção do molho e começou a vender. Ele diz que teve dias que ficava na frente do computador tentando encontrar possíveis clientes. Nunca pensou que seria um bom vendedor, mas começou a ligar  para  oferecer  o produto, a explicar sobre o diferencial do molho ser feito 100% com óleo de oliva  e as coisas  foram acontecendo. Desde 2013 a empresa cresceu 750% , os produtos já estão em 10 estados brasileiros e ele deve fechar o ano com 10 mil itens produzidos por mês. Aliás, ele não percebeu a crise .

Gonzalo- Partiu Plano B

Hoje ele não precisa mais correr atrás dos clientes , que agora fazem encomendas o tempo todo. O Emerson comemora o sucesso e se orgulha de ter inspirado outras pessoas da empresa em que trabalhava a também tomarem a iniciativa de mudar de vida. Se antes, Santos se sentia desmotivado com a vida profissional, agora a história é bem diferente:“Minha esposa diz que sou outra pessoa. Hoje chego em casa sorrindo, antes era só estresse. E a qualidade de vida não tem comparação. Sempre tive essa veia empreendedora e me incomodava muito estar numa empresa fechado com tanta coisa para fazer aqui fora.”

As dicas do Emerson:

– A pessoa tem que ter uma base. Minha casa e meu carro estavam quitados. Eu não precisava do dinheiro da empresa no início. Sempre digo que uma empresa é como uma criança e você não pode tirar o leite da criança, ela precisa de tempo para crescer e andar sozinha. O pouco que entrava eu reinvestia na empresa. Se eu não tivesse feito isso não sei o que teria acontecido.

– Não dá  pra pensar em  investir em um negócio só porque  está dando dinheiro. Acho  que a pessoa não deve seguir a manada.  Precisa gostar do que faz, se sentir motivado. Eu, por exemplo, sempre gostei de churrasco, de reunir a família. Nunca pensei no dinheiro que daria, mas no prazer de trabalhar com algo que eu gosto.

– Finalmente não existe fórmula mágica e sim muito trabalho e dedicação.

www.gonzaloalimentos.com.br

Deixe um comentário